Pular para o conteúdo

QUESTÕES BÁSICAS SOBRE O CÂNCER COLORRETAL

Por: Dr. Leonardo Maciel em 23/07/2019

POR QUE ISSO É TÃO IMPORTANTE?
A população em geral enfrenta um risco ao longo da vida de cerca de 5% de desenvolver o câncer colorretal. Já alguém cuja família tem histórico de câncer colorretal, tem uma chance de 10% a 15% de desenvolver a doença. O risco aumenta para mais de 50% em pessoas com colite ulcerativa, e aquelas cujos membros da família abrigam mutações genéticas específicas.
Para o Brasil, estimam-se 17.380 casos novos de câncer de cólon e reto em homens, e 18.980 em mulheres para cada ano do biênio 2018-2019. Esses valores correspondem a um risco estimado de 16,83 casos novos a cada 100 mil homens, e 17,90 para cada 100 mil mulheres. É o terceiro mais frequente em homens e o segundo entre as mulheres.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?
O câncer colorretal é frequentemente uma doença silenciosa, desenvolvendo-se sem nenhum sintoma. Quando os sintomas ocorrem, eles podem incluir:

– Sangue misturado ou em volta das fezes
– Mudança no hábito intestinal
– Fezes mais estreitas do que o habitual
– Desconforto abdominal (inchaço, plenitude e / ou cólicas)
– Vômitos
– Diarreia, constipação ou sensação de que o intestino não está completamente vazio
– Dores abdominais devido gases
– Perda de peso sem motivo aparente
– Sangramento retal
– Cansaço constante ou fadiga não habitual durante uma atividade que era previamente tolerada

Se você tiver algum destes sintomas por mais de duas semanas, consulte o seu médico ou profissional de saúde imediatamente. Embora nem todos que tenham esses sintomas tenham câncer de cólon, a persistência destes não é normal, e requer investigação adicional para determinar a causa subjacente.

O CÂNCER COLORRETAL PODE SER EVITADO?
– SIM! O câncer colorretal relacionado ao pólipo do intestino pode ser prevenido. A doença se desenvolve a partir de pólipos benignos (esses apresentam crescimento semelhantes a cogumelos no revestimento do cólon e do reto). Remover esses pólipos antes que eles se tornem malignos, pode prevenir o desenvolvimento do câncer.
Entra figura 11_figura 01

– Uma dieta com baixo teor de gordura, com grande ingestão de frutas e vegetais e exercícios regulares também podem reduzir o risco de desenvolver câncer colorretal.
O câncer colorretal pode ser curado em até 90% das pessoas, quando descoberto em seus estágios iniciais. Estima-se que aproximadamente 40.000 vidas por ano poderiam ser salvas por meio da adoção do rastreamento do câncer colorretal, associado ao tratamento precoce em homens e mulheres.
QUEM ESTÁ EM RISCO?
O risco de desenvolver câncer colorretal aumenta com a idade. Todos os homens e mulheres com idade superior a 45 anos estão em risco de desenvolver câncer colorretal, e devem ser rastreados. Algumas pessoas correm um risco maior e devem ser examinadas com menos de 45 anos. Essas pessoas são aquelas com história pessoal ou familiar de doença inflamatória intestinal, câncer colorretal ou pólipos, câncer de ovário, endométrio ou mama.

COMO EU POSSO REALIZAR O RASTREAMETO PARA O CÂNCER COLORRETAL?
Os métodos atuais de triagem incluem testes de sangue oculto nas fezes (um teste químico simples que pode detectar sangue oculto nas fezes), sigmoidoscopia flexível (exame visual do reto e parte inferior do cólon, realizada em consultório), enema de bário de duplo contraste (radiografia de bário), colonoscopia (exame visual de todo o cólon) e exame retal digital. A colonoscopia virtual, ou colonografia por tomografia computadorizada, também está sendo usada em algumas situações específicas, mas não é recomendada como teste de triagem convencional até esse momento. Os custos do rastreamento do câncer colorretal, incluindo colonoscopias, são cobertos pela maioria dos planos de saúde.

Dr. Leonardo Maciel

Postado por: Dr. Leonardo Maciel, publicado em: 23/07/2019

Médico com residência médica em Cirurgia Geral, Coloproctologia e Endoscopia Digestiva. Mestre e Doutor em Cirurgia. Membro Titular da Sociedade Brasileira de Coloproctologia e do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *