Pular para o conteúdo

DOENÇA PILONIDAL

Por: Dr. Leonardo Maciel em 17/12/2019

DOENÇA PILONIDAL

A doença pilonidal é uma infecção crônica da pele do sulco entre as nádegas, acima do cóccix.
Ela é mais comum em homens do que em mulheres, e ocorre mais frequentemente entre a puberdade e os 40 anos de idade. Pessoas obesas e com pelos corporais espessos e rígidos são mais propensas a desenvolver a doença pilonidal.

CAUSAS

Os pelos geralmente crescem na fenda entre as nádegas para o interior da pele. Estes folículos pilosos podem ficar infectados, e formar abscessos agravando o problema.

SINTOMAS

Os sintomas variam de acordo com a gravidade do caso, e podem incluir:
-Pequenos orifícios na região afetada
– Massa dolorosa
– Presença de drenagem fluida clara, turva ou sanguinolenta da área afetada
– Se infectada, a área afetada pode aumentar de tamanho, ficar vermelha, dolorosa e com drenagem de secreção purulenta. Nesse caso, o paciente pode apresentar febre, náuseas ou sentir-se doente.

PADRÕES DA DOENÇA

Quase todos os pacientes apresentam um episódio agudo de abscesso (a área doente fica inchada, sensível e com drenagem de pus).
Depois que o abscesso é drenado, espontaneamente ou com assistência médica, muitos pacientes desenvolvem um cisto pilonidal. O cisto é uma cavidade abaixo da superfície da pele, que se conecta à superfície através de uma ou mais pequenas aberturas. Algumas dessas áreas doentes podem resolver por conta própria, no entanto, a maioria dos pacientes precisa de uma pequena cirurgia para removê-las.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico é tipicamente confirmado por um médico examinando a área das nádegas.

TRATAMENTO

O tratamento depende do padrão da doença. O tratamento primário para um abscesso agudo é a drenagem. É feita uma incisão que permite que o pus saia, reduzindo a inflamação e a dor. Este procedimento geralmente pode ser feito em um consultório médico sob anestesia local.

TRATAMENTO CIRÚRGICO

Infecções complexas ou recorrentes devem ser tratadas cirurgicamente.
Há diversas técnicas operatórias, que são escolhidas de acordo com cada caso. Operações maiores, em que a ferida é deixada aberta para cicatrizar sozinha (sem aproximação) geralmente resultam em melhores resultados, embora a cura demore mais. O fechamento com retalhos tem um risco maior de infecção, mas pode ser necessário em alguns pacientes.
O coloproctologista é capaz discutir todas as opções de tratamento, e ajudará na escolha da cirurgia mais apropriada.

PROGNÓSTICO PÓS OPERATÓRIO

Quando a ferida é fechada, ela deve ser mantida limpa e seca até que a pele esteja completamente cicatrizada. Se a ferida for deixada aberta, curativos especiais são utilizados para ajudar a remover as secreções e permitir que a área cicatrize de baixo para cima.
Após a cicatrização, a pele das nádegas deve ficar limpa e livre de pêlos. É necessário realizar algum tipo de depilação até os 40 anos. Após essa idade, os fios de cabelo diminuem, ficam mais macios, e a profundidade da fenda das nádegas diminui.
A doença pilonidal pode ser uma condição crônica e recorrente, por isso é importante seguir as instruções de cuidados pós-cirúrgicos.

Dr. Leonardo Maciel

Postado por: Dr. Leonardo Maciel, publicado em: 17/12/2019

Médico com residência médica em Cirurgia Geral, Coloproctologia e Endoscopia Digestiva. Mestre e Doutor em Cirurgia. Membro Titular da Sociedade Brasileira de Coloproctologia e do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *